O AMOR - da ilusão à verdade


21 Jul
21Jul

Quando somos crianças, temos alguma facilidade em dizer que gostamos de alguém, sem medo de represálias ou rejeições, aceitando aquilo que é como algo natural e compreensível.
O amor, quando puro, é algo a honrar e celebrar e nunca algo a censurar.
O amor puro vem do coração, da alma, não é mensurável nem descritível.

Mas quantos de nós conhecem o amor incondicional, para além daquele que os nossos pais sentem e transmitem de forma "desconcertada"?!
O que é isso do amor incondicional de que tanto se fala e escreve?!

É amar a pessoa por inteiro, querendo acima de tudo que seja feliz, independentemente das suas escolhas, dos erros que cometa, dos "defeitos" que lhe atribuamos ou que a pessoa atribua a si própria.
Este amor transcende idade, género, raça e cultura. Este amor vê a perfeição na imperfeição e valoriza a alma, mais do que o corpo. Este amor respeita e admira.
Este amor não sente ciúmes, não é egoísta e não guarda memória dos erros.
É amor que perdoa e que compreende.

«O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.
Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.
O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.»
Coríntios 13:4-6

Isto é o amor puro, como o amor do divino pelos seus "filhos".

Os adultos temem que o amor lhes fuja, pois não conhecem o amor que fica.
O amor real é puro, não teme! É verdadeiro, não foge! É infinito, não se perde.

O amor que vem do divino e que vem de nós próprios é eterno e ilimitado como uma fonte que nunca seca. Só temos de a descobrir dentro de nós.

A dada altura descobrimos que o amor que nos é negado, é amor que negamos a nós próprios. Que a rejeição é uma auto-rejeição. Que o abandono é de nós para nós. E que a forma de curar estes padrões é amar de dentro de fora, fazendo crescer o amor dentro e deixando-o expandir para os outros à nossa volta.
Essa chama é que atrairá chama idêntica e merecedora deste caminho de auto-descoberta e cura.
Quando na nossa consciência passamos a ser dignos de ser amados, a vida encarrega-se de trazer um amor de verdade.

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.